Por quem os sinos dobram?

Um dia um poeta e religioso escreveu: “Nenhum homem é uma ilha, isolado em si mesmo; a morte de qualquer homem me diminui, porque sou parte do gênero humano. E por isso não pergunte por quem os sinos dobram; eles dobram por vós”. Mas ironicamente o poeta, John Donne, morreu sozinho em uma ilha sem nunca ter publicado um poema, ele teve uma vida muito pobre e difícil.

Séculos mais tarde um outro inglês de mesmo nome e seus três amigos revolucionaram a cena musical, suas músicas falavam de amor e paz, ele foi morto no mês do Natal com tiros por um fã quando chegava em seu apartamento, eles também falaram de solidão, uma de suas canções questionava “olhe para todas essas pessoas solitárias… de onde elas vêm?”.

No mesmo século que viveu Lennon outro homem travou uma luta pacífica e aparentemente solitária contra a violência. Seu nome não era John, era chamado Mahatma que em sânscrito quer dizer “Grande Alma”. Mas Gandhi, igual ao John músico, foi morto à tiros por um hinduísta fanático e também tornou-se mártir.

Poucos na histórias tiveram o mesmo impacto de Gandhi na luta pela não-violencia, um deles (outra grande alma) e talvez a mais famosa, foi batizado por um homem também de nome João e seu nascimento é o motivo pelo qual famílias no mundo todo se reúnem nessa data em celebração ao amor pelo próximo e à paz. Talvez não seja coincidência que Jesus, o filho de Deus na crença Cristã, também tenha sido traído e assassinado. A história que todos nós conhecemos conta que ele foi coroado com uma coroa de espinhos e carregou sua própria Cruz.

Nem um pouco alheio à esses eventos e aos demais conflitos que há séculos assolam a humanidade, um psicólogo americano chamado Marshal Rosemberg desenvolveu um método para melhorar a maneira como nos comunicamos e assim diminuir nossos conflitos. Baseado na mesma não-violência de Gandhi, ele chamou esse método de “comunicação não-violenta”, a linguagem do coração.

Durante anos de estudo ele entendeu que o motivo principal de todos os conflitos da humanidade é o fato de que as pessoas sentem que não têm suas necessidades supridas. Ele foi ainda mais fundo e descobriu que todos os grupos de pessoas no mundo, independente de sua cultura, credo, cor, idade, opção sexual e classe social tinham exatamente as mesmas necessidades, quando digo TODOS incluo também presos, assassinos, terroristas e pacifistas. Todos sem exceção possuem exatamente as mesmas necessidades e o fato é que de alguma forma estamos falhando nessa missão de supri-las. Ele inclusive conseguiu reduzir essas necessidades em uma pequena lista.

E o que todos nós celebrando desejamos no dia de hoje é o mesmo: um feliz Natal. Também independente de cor, credo, opção sexual e classe social os desejos são relacionados à paz, amor e felicidade. Mas mesmo assim, ainda no dia de hoje estamos em conflito.

“O inferno são os outros” disse um outro João, que em sua língua materna era chamado Jean Paul. Seu onônimo o Papa João Paulo disse: “A pior prisão é um coração fechado”, ele tinha um coração amoroso mas (igual Lennon e Gandhi) também sofreu um atentado de morte com arma de fogo por um de seus seguidores.

Então para mim no dia de hoje permanece o mistério: por que somos inferno quando queremos ser céu? Por que nos tornamos ilhas quando deveríamos ser continentes? E enquanto não conseguimos ser céu e nem continente meu desejo é o mesmo do Papa, que tenhamos sempre o coração aberto e mantenhamos viva a esperança (que dizem mesmo ser a última a morrer).

Igual a todos que entrei em conflito e aos meus, também desejo um feliz Natal e dias melhores, não apenas para mim, mas também para que, quem sabe ao final de tudo, um pequeno João – meu sobrinho de 3 anos – e todas as outras crianças possam ver o mundo finalmente mudar, para provar que nenhuma morte de nossos Joãos, Marias e Joses foi em vão, para que possamos no passo a passo construir perspectivas de um futuro melhor onde enfim seremos um continente de paz, liberdade e amor chamado céu. Feliz Natal!

/home/wpcom/public_html/wp-content/blogs.dir/51f/77305807/files/2014/12/img_2243.png

24 respostas em “Por quem os sinos dobram?

  1. Pingback: Por quem os sinos dobram?

  2. Pingback: Aquebrantando padrões: desavenças

  3. Pingback: ReLOVution – por uma revolução do amor pelo o amor

  4. Pingback: Você é linda. Obrigada. Eu te amo.

  5. Pingback: Você sabe quem são os teus?

  6. Pingback: A marginalização emocional

  7. Pingback: Quem matou Odete Roitman?: sobre a vitimização humana

  8. Pingback: Quanto lhe é suficiente?

  9. Pingback: It´s the journey!

  10. Pingback: Uma coisa é uma coisa e não o que você diz dela

  11. Pingback: Da morte, da solitude e do vazio

  12. Pingback: Todo defeito é uma qualidade esperando para ser lapidada

  13. Pingback: O espelho da abundância

  14. Pingback: Vamos fugir? Por Tatiana Nicz

  15. Pingback: Para o jogo da vida: raça

  16. Pingback: Portal "O LÁBARO" – Para o jogo da vida: raça

  17. Pingback: Um sonho de liberdade

  18. Pingback: Sobre cursos e autonomia

  19. Pingback: Offline

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s