Ele não está tão a fim de você

coracao

“Ensinam muitas coisas às garotas: se um cara lhe machuca, ele gosta de você. Nunca tente aparar a própria franja. E que um dia, você vai conhecer um cara incrível e ser feliz para sempre. Todo filme e toda história implora para esperarmos por isso: a reviravolta no terceiro ato, a declaração de amor inesperada, a exceção à regra. Mas às vezes focamos tanto em achar nosso final feliz que não aprendemos a ler os sinais, a diferenciar entre quem nos quer e quem não nos quer, entre os que vão ficar e os que vão te deixar. E talvez esse final feliz não inclua um cara incrível. Talvez seja você sozinha recolhendo os cacos e recomeçando, ficando livre para algo melhor no futuro. Talvez o final feliz seja só seguir em frente. Ou talvez o final feliz seja isso. Saber que mesmo com ligações sem retorno e corações partidos, com todos os erros estúpidos e sinais mal interpretados, com toda a vergonha e todo constrangimento, você nunca perdeu a esperança.”

Trecho do filme “Ele não está tão a fim de você”

“Ele não está tão a fim de você” é o nome de um filme que marcou não pelo filme em si, mas pela obviedade do título. Na época, a frase virou tema de muitas das minhas conversas de bar. Apesar de concordar que a máxima em muitos casos é verdadeira, também a acho um tanto simplista diante das possibilidades infinitas que se apresentam ao longo do caminho e da complexibilidade dos relacionamentos.

Com um olhar mais crítico, essa frase também me soa como um produto de uma sociedade que acredita em um tipo de amor idealizado, romântico, utópico. Um amor que é replicado incansavelmente na literatura, na arte, nos filmes. O amor do “felizes para sempre”, onde estamos sempre dispostos e prontos para amar; onde o relacionamento amoroso é a grande prioridade e alegria de nossas vidas, do qual temos a certeza do que queremos, não importando nossos traumas, medos, feridas do passado. Pois bem, eu não acredito nesse amor.

Os relacionamentos na “vida real” geralmente são muito mais conturbados, incertos, desconexos, descompassados, egoístas, imperfeitos.  Seria presunçoso e até ingênuo tentar mapeá-los ou formulá-los. Não existe manual ou fórmula para gostar de alguém, é preciso viver na pele, escolher, permanecer, construir, tentar, desistir, tentar de novo, dia após dia, com o melhor e o pior de nós. Fora isso, nem sempre temos clareza do que queremos ou sabemos reconhecer o que é melhor para nós; às vezes o medo de sofrer é maior do que a vontade de se apaixonar, enfim, as possibilidades são infinitas. Nesses casos o lema “ele não está tão a fim de você”, quando levado ao pé da letra, pode excluir muitos desencontros que poderiam, eventualmente, com um pouco mais de calma, tornar-se grandes encontros.

De certa forma entendo porque a tal frase ficou tão popular e serve tão bem em algumas situações. Se a pessoa não demonstra interesse, realmente não tem porque ficar. Fato. Com um pouco de bom senso e amor próprio, dá para aprender a ler os sinais, da para entender que um bom contato se dá sempre na fronteira, eu não posso fazer sozinha o caminho de dois. Muitas vezes manipulamos, contamos mentiras, fantasiamos, inventamos desculpas, evitamos enxergar os fatos como eles são, porque a verdade da rejeição pode ser inconveniente demais. Daí a frase é um convite para olhar para o que é real. Porque no final das contas, viver uma rejeição ainda é melhor do que viver uma mentira.

Por outro lado, quando estamos emocionalmente equilibrados, naturalmente o pouco não nos será funcional. E ainda, é preciso desenvolver um olhar mais gentil para nossos processos, acreditar que pouco ou muito, muitas vezes é a medida exata que estamos precisando. Assim, o que a gente precisa é adquirir confiança de que quando não estiver bom para nós, teremos a coragem necessária para partir. Com um olhar atento, percebemos que gostar não tem nada a ver com controle, nem é lógico, é uma escolha pessoal. E o que nos move a ela ainda permanece um grande mistério.

Mas, se tem uma coisa que aprendi, é que gostar é um sentimento que a gente aprende com o tempo, não acontece à primeira vista, o que acontece à primeira vista é uma projeção, uma ilusão. Gostar não é perder-se, é se encontrar. Portanto, gostar mesmo acontece de mansinho, não é fruto de esforço, nem de atos grandiosos ou mirabolantes. Nem sempre é uma escolha racional ou acontece na hora que a gente quer. De repente a gente se dá conta. De repente, aquela ausência nos faz falta e a presença nos faz bem.

Então, ele pode não estar tão a fim de mim. Ou sim. E tudo bem. Porque no fim do dia o que o outro sente ou faz é de responsabilidade dele, mas é importante conhecer meus limites e saber o que me é suficiente, porque o tanto que quero ou aceito, se fico ou parto, isso sim é responsabilidade minha.

2 respostas em “Ele não está tão a fim de você

  1. Gostei muito e concordo demais com seu texto. Nem a gente mesmo sabe direito o que quer em diversos momentos, não é mesmo? Como podemos simplesmente fazer uma avaliação tão preto no branco dessa forma? Eu sempre penso que uma grande paixão nunca ocorre do dia para a noite, e não estou falando de relacionamentos amorosos. Por exemplo, um Steve Jobs da vida não acordou um belo dia e criou a Apple, de forma direta, sem erros, sem tentativas, sem medos, sem incertezas, sem um milhão de coisas que aconteceram independentemente de sua vontade. Para se viver e construir uma paixão, seja ela qual for, há esforço, tempo, medo, tentativas, erros, acertos… por que, então, na questão de relacionamentos seria diferente? Como é possível acreditarmos que uma história de paixão, entrega e encontro verdadeiro ocorre do dia para a noite e que no primeiro deslize, na primeira insegurança, no primeiro erro já está provado que aquilo não está certo…. Até porque, vamos nos construindo junto com nossa caminhada.

    Há coisas que só conseguimos ver e entender com o tempo e com a experiência, mesmo. Eu, que sou praticante de karatê, sempre penso que todo mundo começa faixa branca, em um sentido metafórico. Não há como ser diferente. Percebo que após um tempo de prática, fui conseguindo ver e entender coisas que não conseguia no início. Não há outro jeito. Se eu, na primeira luta, desistisse, porque mesmo achando muito que estava acertando, errei, fiquei insegura, duvidei de mim mesma, caí, levantei… nunca poderia avançar. E quando olho para trás vejo que não era tão boa quanto pensava e que não tinha mesmo capacidade de ser (ainda). Mas se a gente não consegue aceitar os tombos, não consegue lidar com o medo de não ser bom o suficiente, com os momentos de “não adianta, não nasci para isso mesmo”, bem como com os momentos, igualmente prejudiciais de “como sou demais!”, nunca avançamos.

    Por fim, acho que a ideia simplista de “ele não está tão a fim de você” é mais uma forma de auto-defesa das pessoas, porque desistir ao primeiro sinal de dúvida e colocar todas as fichas na possibilidade de encontrar um outro já pronto e perfeito é o caminho certo para uma vida de ilusões…. mas, vamos combinar, o mundo real é tão mais feio do que o mundo das ilusões, não é mesmo? É preciso esforço para amar o mundo real, mesmo sendo ele duro e imperfeito.

    Também escrevo na Obvious e hoje descobri esse seu blog. Gostei muito do que já li até agora. 🙂 Obrigada por compartilhar suas ideias com o mundo. Abraços.

    Curtido por 1 pessoa

    • Poxa Ju que super contribuição! Muito obrigada, acho que você fez uma leitura ótima da mensagem que eu quis passar, sinal que estamos conseguindo uma boa comunicação mesmo que virtual. Você que escreve deve entender isso, sempre me preocupo em saber se a mensagem está sendo clara. Obrigada por sua contribuição, volte sempre! Vou procurar você lá na Obvious. Beijos

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s