O inferno são os outros

coringa-filme-0919-1400x800

“Uma cultura de paz é uma cultura de tolerância ativa, mas também é, acima de tudo, uma cultura de conhecimento de si. É extremamente importante nós nos conhecermos e sabermos quem somos, quais são nossas limitações e anseios, por exemplo, e aproveitarmos para aplicar isso em nós mesmos.”

trecho do livro “O inferno somos nós” de Leandro Karnal e Monja Coen

A projeção foi um dos primeiros mecanismos neuróticos de evitação de contato descritos por Fritz Perls, segundo ele: “a projeção é a tendência em fazer o meio responsável pelo que se origina na própria pessoa”. O funcionamento do projetivo é  muito bem descrito na frase icônica do existencialista Jean-Paul Sartre, emprestada para título desse texto. A pessoa que se utiliza desse mecanismo frequentemente tem necessidade de transformar o outro em vilão, falhando em perceber o óbvio: que ela é a única responsável por escrever sua própria história.

Perls ainda descreve a projeção da seguinte maneira: “clinicamente reconhecemos a doença da paranoia, que é caracterizada pelo desenvolvimento de um sistema altamente organizado de ilusões, como caso extremo da projeção. A paranoica tem sido, caso após caso, a personalidade mais agressiva, que incapaz de suportar a responsabilidade de seus próprios sentimentos e vontade, projeta suas fantasias em objetos ou pessoas do meio.”

Assim, o projetivo está sempre cheio de suspeitas, projetando no outro tudo que há de errado na sua relação com o mundo. Sua principal introjeção é “não posso sentir o que sinto”. A pessoa com essa predominância de funcionamento vive uma cisão entre o que ela pensa que é x o que ela de fato é. Por isso são gritantes as incoerências entre o que diz e o que faz, já que ela mesma não se reconhece em suas ações.

Os projetivos demonizam todos, mas são incapazes de demonizar seus pais. Tirar os pais do pedestal é questionar sua própria história e isso é algo extremamente difícil para eles. Cresceram em ambientes onde foram extremamente exigidos ou onde receberam muito pouco e, portanto, não aprenderam a confiar no vínculo, por isso são inseguros e desconfiados.

Provavelmente foram filhos muito julgados ou superprotegidos. A mensagem que receberam de seus principais cuidadores é “sozinho você não pode”, algo que gera grande insegurança interna. Por não terem aprendido a confiar em si mesmos, se apoiam em demasia no meio (ou nos pais).

São pessoas que aparentemente se mostram confiantes, com grande autoestima, mas na verdade têm pouca noção de si mesmo e um ego inflado. Com sua teimosia e arrogância falham em reconhecer seus erros, em pedir desculpas, em olhar a realidade dos fatos como eles são, em fazer uma análise assertiva dos conflitos que vivem, e principalmente, falham em identificar suas responsabilidades nas escolhas que fazem.

Concentram muita energia no que está fora, possuem crenças engessadas e polarizadas, falam constantemente sobre algo ou alguém. Nutrem intensa admiração por seus ídolos, defendem com veemência as causas acreditam, geralmente utilizando narrativa pouco neutra. Quando falam de si, raramente expressam autoresponsabilização, e constantemente se valem de um discurso vitimista.

Um projetivo em estado cristalizado ou neurótico, apresenta um agir  impulsivo e inconsequente. Muitas vezes, está tão obcecado em achar um culpado ou condenar alguém que acaba se perdendo em processos fantasiosos e paranóicos. São estes os casos extremos descritos por Perls. E dessa maneira, quanto mais mantém o foco no outro, mais evita contato com suas dores mais profundas. Esse modo tão neurótico de funcionar o impede de crescer, aprender, mudar.

Os projetivos raramente vão para terapia, já que não dão conta do processo terapêutico. Portanto, só vão para terapia para resolver questões pontuais que estejam lhe causando muita dor, e como entendem que o outro é principal responsável por seu sofrimento, geralmente é nele que deposita o foco de sua narrativa. Nesse sentido, a projeção é um mecanismo desafiador para o terapeuta, pois para quem projeta o papel de vítima é confortável e o único que, desde uma idade muito precoce, aprendeu  a utilizar para manipular o meio e conseguir suprir suas demandas emocionais.

O desafio do psicólogo é conseguir fazer com que o projetivo conjugue o verbo em primeira pessoa e aprenda a se responsabilizar por sua parte nos conflitos que vive e nas escolhas que faz. As terapias em grupo funcionam melhor para esse tipo de pessoa, já que ela opera através do espelhamento no outro e nunca através de um mergulho aprofundado em si. Assim sendo, para quem projeta é sempre mais cômodo acreditar que o inferno são os outros, do que entender que o seu inferno é ele mesmo quem cria.

*Créditos para Yara Gualda Carneiro do Instituto de Gestalt de Curitiba em aula sobre “projeção” do curso de Formação em Gestalt-Terapia.

Ainda sobre os mecanismos de evitação de contato da Gestalt-terapia:

Introjeção

Confluência

Isolamento

Deflexão

 

 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s